quinta-feira, 16 de setembro de 2010

RAFAEL SICA

- Sempre gostei de ler jornais, mas 'ler' não era meu foco principal.. meu foco principal SEMPRE era a parte dos quadrinhos. \o/ No Diário Gaucho (jornal local aqui de Porto Alegre), na parte dos quadrinhos curtia muito ler & ver o trabalho do Rafael Sica. O que me chamava atenção era a simplicidade dos quadrinhos , mas sempre com um estilo meio surreal e tal. BEM LOCOMÊMO TIO.
Abaixo um entrevista que merendei da revista OGrito.

Rafael Sica assina tiras diárias em seu blog e ganhou repercussão com suas tiras quase surrealistas, onde explora sentimentos humanos como horror e medo. Refletem também uma distorção do cotidiano, apresentando cenas absurdas. Duas novidades este mês refletem o reconhecimento deste artista gaúcho. A primeira é a exposição “Cinza-Choque”, que será apresentado em Porto Alegre até o dia 30 de novembro no Museu do Trabalho, com 13 desenhos à lápis, todos inéditos. A segunda é a primeira coletânea de tiras de Sica, que sai pela nova editora Barba Negra, formada pelos ex-editores da Desiderata, Lobo e Odyr. O Grito! conversou com o artista que falou não perceber a influência que seu trabalho representa no quadrinho atual e também sobre suas referências quando desenha. “Acho o horror uma eficiente forma de sátira do comportamento humano levado ao extremo, levado ao medo”. Confira também alguns trabalhos que estarão presentes na exposição e também tiras do blog.

Muitos dizem que suas tiras são as mais influentes entre os novos autores. Como chega a você esta repercussão? O que acha disso?
Não tenho uma idéia muito clara disso. Fico muito tempo desenhando e é difícil acompanhar outros desenhistas. Tento fazer um trabalho original, que é o que buscam todos que desenham. Se meu trabalho cruzar no caminho de outro desenhista e isso for uma via pra ele buscar algo particular, acho natural no processo. Mas realmente não tenho exemplos pra concordar com essa tua observação.

Como surgiu a proposta de abrir a exposição? Já tinha feito algo parecido?
O convite veio do Museu do Trabalho. O Fábio Zimbres tem uma relação muito próxima do museu há alguns anos. Foi ele quem propôs a exposição. O Hugo, que é quem administra os trabalhos lá, já abriu as portas do museu pra muitos outros desenhistas. É um lugar com uma longa e brava história. Foda mesmo.

Com uma tira diária, como é seu método de trabalho, sua rotina?
Nunca bato cabeça na frente de folha em branco. Tenho muita coisa anotada e desenhos rabiscados em papéis soltos. Não deixo pra resolver na hora, porque não consigo. Fui descobrindo meus limites com o tempo.
Tudo pra não transformar o que me dá prazer numa choradeira.

Há algo que o inspire? De onde vem as referências para o seu trabalho?
As contas no fim do mês me inspiram. Na verdade observo muito as coisas. Escuto mais do que falo, também.

Percebo um interesse pelo horror em seus quadrinhos, mas não um horror objetivo, mas do subconsciente. Você pensa dessa forma quando desenha?
Acho o horror uma eficiente forma de sátira do comportamento humano levado ao extremo, levado ao medo. E hoje o medo foi incorporado pela sociedade, e tem gente ganhando uma grana e rindo muito de tudo isso. Sentido medo ou não, as merdas estão acontecendo. É uma questão de opção, mas até isso fica difícil de perceber.

Pensa em reunir os quadrinhos num compêndio, coletânea? 
Já recebeu alguma proposta de editora para lançar um livro?
Até o final do ano sai uma coletânea pela novíssima editora Barba Negra, dos camaradas Lobo e Odyr. Só alegria.

Quais outras tiras você costuma acompanhar?
Não mantenho uma regularidade, mas tento acompanhar o trabalho dos comparsas. Gosto das tiras verborrágicas do Allan, gosto do Arnaldo, do Dhamer, Salimena, Bennet, Adão, Gabriel Renner. E o Laerte, cara, ele simplesmente bota todos nós no bolso e sai assobiando.

Seu trabalho ficou conhecido pelo seu blog.
Que acha da internet como forma de construir uma carreira?
Acredita que o jornal ainda tem uma repercussão maior?
A internet tem repercussão maior que jornal. Consigo fazer outros trabalhos através desse contato que a internet proporcionou. Mas, apesar de tudo, da história toda, de calar se frente ao departamento comercial, o jornal ainda tem mais credibilidade. Particularmente não conto com carreira em jornal. Isso não existe mais.

Seu traço, suas idéias são bem reconhecíveis.
Como começou a carreira e como chegou ao estilo que mantém hoje?
Comecei copiando tudo o que via até encontrar meu caminho. Tudo o que eu não quero no desenho é terminar copiando a mim mesmo. Formulismo é preguiça

/ fonte: revistaOGrito!
- blog RafaelSica

Nenhum comentário:

Postar um comentário